Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



OST

por the fazz, em 16.08.08

Eu tinha meu próximo encontro inteiramente planejado. Eu espalharia alguns livros do Bukowski e do Fante no sofá, e em cima da mesa, a filmografia do Wes Anderson. De forma a ambientar um despojamento, não uma bagunça generalizada. E se ele reconhecesse que as coisas estavam dispostas para impressioná-lo de alguma forma, ao menos que ele lembrasse que isso é uma referência woody-alleniana. Ia pegar super bem se ele lembrasse disso.


Eu o deixaria à vontade pra tomar um banho caso ele quisesse. Arranjaria uma toalha azul. Porque azul é de menino. Enquanto ele se divertisse com o coquetel de sabonetes líquidos que eu pré-selecionara para aquela noite, eu escolheria a trilha sonora do nosso “durante”. Música para sexo de primeiro encontro sempre é um assunto delicado. Certa vez um rapaz colocou Sade pra mim. Nada contra Sade, mas como aquilo foi cafa! Certa vez, meu shuffle me traiu e desempenhou um “Fantômas” no meio do nosso desempenho. Mike Patton é o homem mais sexy do mundo, mas dividindo os vocais com Cat Power ou Jenniffer Charles, não com satã.


E é por isso que trilha para sexo é uma arte ainda desvalorizada. Pode catalizar ou arruinar definitivamente o clima. Escolher um tema romântico de cara é pretensioso e canastrão. Deixar à mercê do shuffle do seu iTunes pode ser como abrir a caixa de Pandora. Botar um jazz, apesar de nunca ser errado, pode intimidar demais. Falta a sensação de estar à vontade, a liberdade pra falar uma besteira sem culpa. Afinal, imagina a pressão, fazer sexo com o intelectual apreciador de um gênero musical elegantérrimo quando você, vez ou outra, adora falar de cocô.


E é por isso que eu fiz uma playlist só com canções do Richard Cheese. É um perigoso cruzamento de um jazz refinado com o Tiririca, eu sei. Mas imagina só, que divertido. É a Britney Spears na voz de um fanfarrão, com contrabaixo acústico e metais precisos. É a forma palatável de ouvir a Fergie ou o inusitado Michael Jackson com coro infantil. E ele pode achar que você não é ousada na cama, e você, que ele transpira de uma forma não humana, e vocês descobrem que só há uma camisinha não-lubrificada. Mas quando Richard Cheese se atreve a fazer um mambo de Sunday Bloody Sunday, há essa coisa que nunca pode dar errado. Uma longa e inesperada risada compartilhada, mais instintiva e verdadeira que todos os rituais de reprodução. E com o poder necessário para preencher silêncios constrangedores e roubar a cena no caso de experiências desastrosas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 05:48


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D