Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



E é só.

por the fazz, em 27.06.08

Às vezes tudo o que você precisa é de uma noite muito mal dormida.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:43

E assim foi

por the fazz, em 18.06.08

Ele pensou em perguntar de cara, qual era seu nome completo. Pensou em comentar que a versão original daquela música era muito melhor que essa versão pop. Pensou em partilhar, descontraidamente, que uma mulher completamente bêbada acabara de roubar um cigarro seu. Pensou em dizer “desculpe!” por pegar por (planejado) engano a bebida dela no balcão. Pensou em falar abertamente que ficou a noite inteira tentando criar uma abordagem interessante e que agora, sem saída, contava com a sua colaboração para estender o assunto que nunca começou. Mas só disse “saúde”. Tudo por causa de um maldito espirro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:56

La petite mort

por the fazz, em 18.06.08

Nem venha com esse sorrisinho. O fato de eu amar tanto você talvez tire todos os méritos que você acha que teve no que acabou de acontecer.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:54

SAC

por the fazz, em 18.06.08

A todos que pediram, aqui vai: um post novinho em folha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 02:51

Você tem 3h pra tirar a mão daí.

por the fazz, em 13.06.08

- Me diz uma coisa. Honestamente. Diz se você tem alguma vontade de me dar um beijo agora. De 0 a 10. Eu juro que se sua resposta for algo menos que 5, eu tiro a mão da sua perna imediatamente.

 

- Cinco.

 

- Hummmm. Ok, isso foi uma armadilha. Eu não tinha me preparado pra nota de corte.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:17

Já seca. O quê? Essa lágrima.

por the fazz, em 12.06.08

Escrevia as coisas mais humanas quando estava em profundo estado de tristeza. Seus admiradores torciam sigilosamente pra que tivesse uma vida miserável.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:22

Leia isso, Ana Amélia

por the fazz, em 02.06.08

Este post é pra dizer coisas que eu não tive tempo de dizer. No sábado a gente ia numa festa Pimp, tá lembrada? Até pedi pra você mandar seu nome pra uma lista. Bem, eu tentei ligar no seu celular e ele parecia estar desligado. Quando eu estava saindo de casa pra festa, eu recebi uma mensagem avisando que seu celular já podia receber chamadas. Eu devia ter tentado ligar de novo, mas imaginei que como você ainda não tinha entrado em contato, havia desistido de ir pra festa. No domingo eu tava louca pra te ligar e dizer que eu havia sonhado com você. Um sonho super engraçado. Estávamos num balcão enorme de um bar. O Pélico estava lá e tentava te beijar. Mas você achava um grande atrevimento e descia porrada no pobre músico. Eu não sabia de quem sentia mais dó e acordei rindo muito.

 

Agora as pessoas perguntam se eu não vou ao seu velório. Desculpe, meu amor, eu não vou. Espero que me perdoe por não querer guardar na memória esse momento. Mas sim os momentos em que eu te vi sorrindo, dançando, resmungando com aquele seu humor ácido e fabuloso, teorizando sobre a relação de homens sem bunda terem o pau maior. Quero guardar na memória a insanidade de quem sai de uma endoscopia e vai almoçar num restaurante indiano com temperos fortíssimos não recomendáveis. Quero lembrar das nossas sessões online de domingo, tentando descobrir as trilhas das reportagens do Fantástico, só pela introdução (salve o trilheiro indie do programa dominical). Quero guardar o timbre da sua voz meio rouca, mega sexy-sensual, dizendo com seu sotaque paraense delicioso "eu gosto de ti".

 

Sabe de uma coisa, Ana Amélia, pra mim você nunca foi só Ana, nem só Amélia. Jamais Aninha. Sempre foi Ana Amélia, não por falta de intimidade, mas porque reforçava o fato de ser única. E Aninha, nunca combinou com você. Você é grande, não só nas proporções físicas dignas de um mulherão. Então, Ana Amélia, deixa eu confessar que ontem à noite me senti muito feliz por ser cristã. Está sendo uma barra aceitar que vamos ficar temporariamente longe um da outra, mas deve estar sendo dolorosamente pior pra quem não acredita que na verdade você continua por aí, sorrindo e fazendo graça. Daí, minha vó sempre me ensinou a rezar por aqueles que se foram. Eu, católica obediente, me agarrei às bolinhas do rosário e ao longo da oração percebi que elas deviam ser dirigidas à todos nós que aqui ficamos. Porque você sabe, Ana Amélia, a gente sempre sofre de auto-piedade. E ficar sem você por perto, combinando Astronete, CB ou A Lôca no fim de semana dói pra caralho. Então, peço permissão pra partilhar as intenções das minhas orações com todos nós que precisamos de um afago de Deus.

 

Vai brincar no Paraíso, minha flor, que o Vegas realmente era muito pequeno pra você. E só pra esclarecer, quando você fazia charminho dizendo "eu sei que você não gosta de mim, mas eu gosto de ti", no fundo, você tinha razão. Gostar é pouco, amo você. Assim, no presente mesmo, por causa dos meus cristianismos e porque sempre que tocar "Psycho Killer", a gente vai continuar cantando o refrão juntas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:18


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D