Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Amarração

por the fazz, em 29.01.08

Eu precisava escrever algo triste. E uma alegria insolente tomara conta de mim para arruinar meus planos literários. Cadê a melancolia, a dorzinha da solidão, a lágrima compartilhada, o amor não correspondido? Perdera-se no abraço afetuoso, em dois e-mails redigidos com esmero, no copo de Nescau trazido à cama, no beijo sem pressa de boa noite. Eu tinha que agir com firmeza, antes de perder meus fiéis leitores. Oito anos ensimesmados, anunciando o armageddon do romance garantiam as parcelas do meu nobre apartamento. Mas agora havia litros de serotonina bloqueando o caminho dos brioches à minha mesa. Minha carreira estava condenada. Tudo o que eu queria era investigar se existia, em algum beco imundo, alguém vendendo o serviço de “desamarração para o amor”. Mas a droga da temperatura era agradável, as memórias do fim de semana eram seráficas, o perfume impregnado no meu vestido era embriagante e tocava "Stephanie Says" com Velvet Underground. Meu editor estava para me mandar às favas caso eu não entregasse mais um artigo amargurado, e era capaz de perseguir implacavelmente o cristão responsável pelos meus sorrisos autistas das últimas semanas.

Almocei observando uma chuva média umedecer o asfalto. E do outro lado da rua, vislumbrei minha salvação. Era um homem taciturno, sem guarda-chuva, caminhando vagarosamente, desgovernado em melancolia. O homem, na sua lentidão, era uma intervenção entre os passantes, apressados em se abrigar. Aquele homem não queria se proteger nem fugir da chuva. Não queria preservar o perfeito engomado de sua camisa nem reagir às folhas de árvore que se misturavam aos seus cabelos. Eu conhecia aquela sensação de indiferença. De quando se deseja maltratar o corpo com uma chuva fria para apagar outros maus tratos. De quando pouca coisa importa e até se acha graça de quem ingenuamente corre para se defender seja lá do que for.

Estava a centímetros de distância do triste andarilho. Pronta para cutucar-lhe o ombro e sondar-lhe a alma. Pronta para implorar que partilhasse comigo suas lamúrias e murmurações. Pronta para contaminar-me da sua depressão e dividir o espaço sob a nuvem mais negra daquele quarteirão. Mas havia um poste no caminho. Com um anúncio cor-de-rosa, xerocado a uma cor: “amarração para o amor – Madame Agnes Ventura”. É isso – pensei. Irrompi-me num riso histérico. Arranjei um pseudônimo tão patético quanto “Agnes Ventura”. Pude enfim, escrever sobre nós dois.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:17


Pesquisar

  Pesquisar no Blog


Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D