Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Eu não sou boazinha.

por the fazz, em 12.03.09

Cena típica de espera no estacionamento de um shopping. Ciclos de evolução depois, uma senhora retira seu veículo próximo a mim e, num piscar de olhos, surge uma criatura desavisada se alojando na vaga por direito minha. Respiro fundo e me dirijo à ladra de vaga, explicando que eu envelheci aguardando ali. A mulher poupa sua ruga de preocupação e tamanha é a sua indiferença que por pouco não é capaz de me atravessar, como se eu fosse um elemento transponível.

 

Num ato involuntário, agarro seu braço e tenho alguns décimos de segundo (antes que ela se vire, furiosa com minha ousadia) para tentar pensar em como fazê-la sentir-se arrependida de não ter encarnado como uma bactéria nessa vida. Para cada ficha de insulto disponível na minha memória, um erro de cálculo se apresenta simultaneamente:

 

a) Xingar um parente (e as pobres mães sempre figuram o topo da cadeia de insultos indiretos) é equivocado, injusto e não atinge o alvo em questão. “Filha disto” ou “filha daquilo” certamente a irritaria, mas os danos não atingem quem pisou no meu calo, portanto, nada satisfatório.

 

b) Eliminando laços hereditários, o que me resta é dirigir minha ira diretamente à motorista com total falta de etiqueta. Em outras palavras, esquecer o “filha de” e ir direto à parte terapêutica da ofensa. Mas também não é eficiente. Bem como associá-la a animais que geralmente têm má reputação no desempenho sócio-sexual. São ofensas vagas que mostram apenas meu desespero em expôr minha fúria e meus recursos apelativos adquiridos na quinta-série.

 

c) Expôr racionalmente o quanto ela desobedeceu as regras que ninguém sabe quem inventou mas todo mundo respeita por osmose, teria o mesmo efeito de dizer o quanto ela era boba e cara de ameixa.

 

Então opto, com intenções genuinamente malignas e vingativas, por atingir o calcanhar de Aquiles de toda mulher. Escolho ferir impiedosamente sua vaidade. Sem alterar a voz, sem apelar pra vulgaridade e com danos imensuráveis, para o meu deleite.

 

-Tomara que a sua pressa seja pra arrumar esse cabelo.

 

Olha, funcionou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:35


6 comentários

De milvezesmais a 12.03.2009 às 17:48

Demais!!!
:) Adorei.

De pedro a 12.03.2009 às 17:51

roubaram o meu primeiro lugar nos comentários!!!

o povo grita por mais! :P

De milvezesmais a 12.03.2009 às 17:56

Oh... Sorry!!! Não te vi à espera

De vulgo alberto a 23.03.2009 às 17:00

cara, como pode?!
preciso fazer um intensivão nessa matéria. hah.

De silvia a 05.03.2010 às 19:58

Muito bom!

De stephs a 05.03.2010 às 20:56

só queria dizer que eu ri descontroladamente lendo este post.

Comentar post



Pesquisar

  Pesquisar no Blog

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2012
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2011
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2010
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2009
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2008
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D